Leitura - 2min

Cidadania também se aprende na escola

Habilidade é extremamente positiva para formar alunos conscientes, críticos e participativos

O papel da escola vai muito além de transmitir conteúdos acadêmicos. Este espaço é bastante propício para que crianças e adolescentes aprendam sobre diversos valores e habilidades socioemocionais, já que convivem em grupos diversos. A cidadania, por exemplo, é um dos aprendizados que vão fazer a diferença para toda a vida, e encontra no ambiente escolar um terreno fértil para se desenvolver.

Vivenciar na prática noções de cidadania ensina os alunos a serem indivíduos mais conscientes, críticos e participativos. Esse aprendizado, sublinha a pedagoga Bárbara Correa, deve começar desde cedo. Ela explica que a formação para a cidadania integra o desenvolvimento social. “Desde muito pequena, a criança está inserida em diferentes espaços sociais, vai diariamente tomando consciência de si, do outro e ‘do nós’”, afirma.

Nesse sentido, a escola exerce papel fundamental, pois pode potencializar as diferentes formas de compreensão sobre sua prática cidadã, seus papéis, seus direitos e deveres. Se desde pequena a criança já aprende que pode machucar um colega ao dizer algo impensado, por exemplo, fica mais fácil evitar essas ações no restante da vida. Assim, fomenta uma prática em que a cidadania possa ser otimizada para além dos muros escolares.

A partir da experiência do cotidiano escolar é possível que os alunos compreendam que a cidadania pode mudar uma realidade com simples atos. Ou seja, aprender a ser cidadão está muito além de cumprir direitos e deveres, mas agir para emergir a solidariedade, melhorando a realidade dos que estão ao redor.

O aprendizado sobre a vida cidadã contribui para a formação de estudantes conscientes dos contextos criados pela sociedade, ressalta Barbara. “Esse conhecimento pode ser aplicado em diferentes aspectos, como ações políticas, econômicas, sociais, comunitárias e solidárias”, ilustra a pedagoga.

Noticias Relacionadas:

Outras noticias relacionadas à: Adolescência

Deixe aqui suas sugestões, elogios ou críticas