Infância

Jogos verbais: dicas de brincadeiras para estimular a linguagem

Share on whatsapp Pinterest LinkedIn Tumblr

Objetivo principal dos jogos verbais é a ampliação do vocabulário, memória e pronúncia

É muito comum que mães e pais cantem canções para ajudar o bebê a dormir. O que muitos não sabem é que esse ato corriqueiro pode ser considerado um jogo verbal, atividade que ajuda a desenvolver a memória e, mais tarde, a oralidade. Existem diversos jogos verbais que podem ser aplicados no cotidiano das crianças. Confira:

Brincar de trava-línguas, rimas, telefone sem fio e jogos que repitam sons, vocábulos e palavras, além de parlendas são alguns exemplos de jogos verbais. Todos valorizam o aspecto lúdico e criativo da linguagem. O objetivo principal, explica a coordenadora de Educação Infantil do Colégio Marista Santa Maria, Ana Paula Detzel, é a ampliação do vocabulário, memória e pronúncia.

Os jogos verbais podem ser aplicados com bebês, por meio de canções para dormir, por exemplo. Quando a criança tem cerca de dois anos, podem ser usadas rimas, músicas infantis, repetição de palavras e brincadeiras que ajudam na fala (como “o cravo brigou com a rosa”). 

“Às vezes são atividades feitas sem intenção, mas que estimulam o desenvolvimento da memória sonora, da construção e ampliação de vocabulário”, explica Ana.

Para as crianças um pouco maiores a questão da pronúncia pode ser aperfeiçoada por meio dos jogos verbais. Em casa, algumas brincadeiras mais desafiadoras como trava-línguas e telefone sem fio, além das parlendas, estimulam a criança a diferenciar algumas pronúncias mais difíceis.

Confira algumas brincadeiras para estimular a linguagem:

O que você viu ontem?

Idade: a partir de 5 anos

1. Escolha um jogador para ser interrogado. Os outros farão as perguntas.

2. O jogador que será interrogado escolhe algo que viu no dia anterior, mas não diz nada. Por exemplo: “Ontem vi um cachorro”

3. Os outros jogadores perguntam, um por vez, até adivinhar o que o amigo viu. Este deve responder somente “sim” ou “não”.

4. O primeiro que adivinhar substitui o jogador e será o próximo interrogado.

Nem sim, nem não

Idade: a partir de 7 anos

1. Os jogadores começam repetindo as palavras que não podem ser ditas: “sim” e “não”

2. Então, cada jogador tenta fazer com que o outro diga as palavras proibidas, fazendo diversas perguntas, e fica atento com as que são feitas para ele.

3. O primeiro que disser “sim” ou “não” perde, e o outro jogador ganha 1 ponto.

4. A lista de palavras proibidas vai aumentando conforme as partidas avançam para tornar o jogo mais desafiador. As proibições mais comuns são “Nem sim, nem não”, “Nem branco, nem preto”, “Nem ouro, nem prata” e o que mais a imaginação permitir.

Parlendas

1. “Corre cutia, na casa da tia.

Corre cipó, na casa da avó.

Lencinho na mão, caiu no chão.

Moça bonita, do meu coração…

Um, dois, três!”

2. “Dedo mindinho,

Seu vizinho,

Pai de todos,

Fura bolo,

Mata piolho.”

3. “Batatinha quando nasce

se esparrama pelo chão.

Menininha quando dorme

põe a mão no coração.”

4. “Chuva e sol, casamento

de espanhol.

Sol e chuva, casamento

de viúva.”

5. “Meio dia,

Panela no fogo,

Barriga vazia.

Macaco torrado,

Que vem da Bahia,

Fazendo careta,

Pra dona Sofia.”

Os comentários estão desativados.