Marista Lab

Você sabe o que é um mapa mental?

Share on whatsapp Pinterest LinkedIn Tumblr

Ferramenta facilita a aprendizagem e a memorização de forma visual

Existem muitas formas diferentes de estudar e uma das mais dinâmicas é o mapa mental. Você sabe como ele funciona? Se trata de uma técnica de estudo que consiste em criar resumos utilizando símbolos, cores, setas e frases de efeito para organizar o conteúdo. Além de ficar com um ótimo visual, o que facilita para encontrar informações, há a possibilidade de fazer associações entre temas correlatos.

“Os mapas mentais estão entre as técnicas mais eficientes para compreensão e fixação de ideias e conteúdos. A maioria das pessoas aprende com mais facilidade visualizando”, enfatiza a professora de História e Ensino Religioso do Ensino Fundamental Anos Finais do Colégio Marista de Criciúma, Daniela da Silva Lucio Minotto.

Antes de começar a fazer um mapa mental, o aluno precisa ler, resumir, selecionar, agrupar e simplificar ideias e conceitos, explica a professora. Em seguida, é preciso organizá-los em esquemas, diagramas, ilustrações e palavras-chave que os relacione ao conteúdo central.  Essa organização permite uma forma harmônica dos processos cognitivos (auditivo, visual e anestésico).

Faça o seu mapa mental

“Para que o mapa mental facilite a revisão do conteúdo, é necessário identificar o tema, colocar em uma posição central, buscar informações e conectá-las. É importante usar a criatividade variando cores, formas e desenhos”, explica Daniela

O mapa mental pode ser feito à mão, de forma fácil e intuitiva, utilizando canetas, canetinhas ou lápis, ou por meio de softwares que permitem a inclusão de links para conectar conteúdos, por exemplo. O objetivo de ambos é o mesmo: facilitar a aprendizagem e a memorização. O importante é escolher a forma que mais se adequa à realidade e ao momento”, aconselha a professora.

Se escolher fazer o mapa mental manualmente, basta pegar uma ficha em branco (como uma folha sulfite A4), virar na horizontal e colocar o conteúdo mais importante no centro. Vale incluir desenhos, gráficos ou símbolos. A partir desse ponto central é possível fazer muitas conexões.

Vale a pena investir nos mapas mentais?

A aluna Maria Eduarda Alvarenga Reichle, do 9° ano, considera o método muito eficaz.

“Senti uma maior facilidade para memorizar e compreender diversos conteúdos. O mapa mental é algo bem pessoal, que nos conduz pelo conteúdo com desenhos, palavras, ou frases chaves”, conta.

Ela diz que se trata de uma maneira divertida de organizar, planejar, ou fazer algum tipo de revisão.

Para o aluno Fábio Gabriel de Deus, também do 9° ano, os mapas mentais ajudam a encontrar o seu próprio jeito de estudar.

“Por meio das variadas formas de confecção e desenvolvimento consigo memorizar o conteúdo que preciso. A realização do mapa requer concentração e atenção, por isso considero também um ótimo jeito de estudar o conteúdo”, conta.

Como utilizar os elementos?

  • Escolha cores que comuniquem algo e que se relacionem com uma mesma conexão;
  •  Os formatos (quadrados, triângulos, círculos) devem ser pensados para associar conteúdos;
  • Opta por tipos de seta específicos para cada espaço do mapa mental;
  • Quando inserir balõezinhos, aproveite formatos e cores que relacionem a algum conteúdo específico.

Como criar um mapa metal online?

Algumas pessoas preferem o meio digital para soltar a imaginação e, para isso, existem algumas ferramentas que podem ajudar:

  • Coggle: super intuitiva e visual, essa plataforma oferece a versão gratuita;
  • Mindmeister: funciona no navegador e também tem opção gratuita ou desconto para estudantes;
  • Mind Node: é uma ferramenta simples e prática, também possui versão gratuita. O único ponto negativo é que funciona apenas para iOS;
  • Canva: apesar do foco da ferramenta não ser exclusivamente mapas mentais, pode ser utilizada para esse fim. É gratuita.

Confira como fazer o seu mapa mental aqui!