Comportamento

Cuidados com a alimentação das crianças na quarentena

Share on whatsapp Pinterest LinkedIn Tumblr

Confira dicas fáceis e práticas para garantir um cardápio saudável para os filhos

Crianças dependem dos pais ou cuidadores para ter acesso aos alimentos, já que quem faz as compras e os prepara são os adultos. Por isso, é importante olhar para o que está na sua lista de supermercado. Você prioriza frutas, legumes, vegetais e carnes? Ou a maioria dos itens incluem processados, ultra processados e alimentos ricos em açúcar e conservantes?

Pensar na alimentação das crianças é essencial para promover uma nutrição adequada não apenas enquanto o seu filho ainda é pequeno, mas também é capaz de garantir uma boa saúde no decorrer de toda a vida. Isso pode ser especialmente desafiador para as famílias que não têm o hábito de cozinhar, especialmente em tempos de pandemia, em que muitos pais estão trabalhando em casa e as crianças assistindo aulas on-line. Mas, por outro lado, é uma oportunidade de aprender e até ter satisfação em preparar um almoço ou um lanche nutritivo.

Como incluir alimentos saudáveis na rotina dos filhos

Primeiro, é preciso ter noção do que significa se alimentar de forma saudável.

“Tenho que pensar se a comida é baseada em ingredientes in natura ou minimamente processados, este é o conceito de uma alimentação saudável”, explica a bióloga, mestre e doutora em genética e biologia molecular, Vanessa Andrade. 

Ao contrário do que muitos pensam, o rótulo de uma embalagem dizer que é fit, saudável ou integral não significa que o alimento seja nutritivo. O que mais conta quando pensamos em promoção da saúde é se perguntar se a comida é “de verdade”. Um bife com ovo, por exemplo, todos sabem o que é, já um salgadinho, do que é feito?

“Comidas processadas trazem uma lista enorme de ingredientes e muitos deles a gente não sabe nem o que é. Isso é um alerta de que não é uma comida de verdade”, salienta Vanessa.

De que forma preparar alimentos em casa com praticidade?

A busca por receita simples, organização e praticidade são os três pilares para cozinhar em casa com mais tranquilidade. Ou seja, não é preciso virar um “masterchef”, basta priorizar o uso de ingredientes diversos. Uma sugestão para variar o cardápio, é importante ter sempre em casa muitas frutas e vegetais, além de carnes congeladas.

Para o almoço, Vanessa sugere abusar do uso do forno, onde podem ser preparados vegetais assados, carnes e outros preparados de forma rápida e fácil. Se durante a semana, o tempo é curto, uma sugestão é aproveitar as noites e os finais de semana para preparar alimentos e congelar. Desta forma, a família tem sempre algo à mão. 

Como fazer o meu filho comer bem?

Para evitar que as crianças fiquem muito seletivas na hora de comer, é essencial começar os hábitos saudáveis desde cedo, quando inicia a introdução alimentar. Porém, para isso funcionar, é preciso que os pais sejam o exemplo. Ou seja, não adianta querer que somente o filho coma vegetais, é preciso que a criança veja isso na mesa durante as refeições e que seja um hábito de toda a família. 

Veja outras dicas da bióloga para promover a alimentação saudável:

Seja criativo:

Na hora de montar o cardápio, varie alimentos e formas de apresentação. Faça arroz colorido inserindo cenoura, beterraba ou espinafre no preparo. Além de ficar mais atrativo, fica muito mais nutritivo.

Envolva as crianças:

Convide o seu filho para ajudar na cozinha. Pode ser no preparo do almoço ou o lanche ou fazendo a lista de mercado. Esta pode ser uma boa oportunidade para explicar sobre a importância de consumir alimentos saudáveis.

Não seja tão rígido:

Se consumirmos alimentos saudáveis na maior parte do tempo, não tem problema que as crianças comam um hambúrguer, um cachorro quente ou uma sobremesa de vez em quando.

“Não podemos criar culpa, mas sempre conversar sobre a importância de comer bem”, ressalta Vanessa. 

Comer bem evita os “beliscos”:

Alimentos ricos nutricionalmente dão mais sensação de saciedade e evitam que a criança fique pedindo guloseimas no decorrer do dia. Isso pode acontecer com excesso de consumo de carboidratos, que dão sensação de fome de novo mais rapidamente. 

Evite ter guloseimas em casa:

Isso pode incentivar que você prepare bolos e biscoitos em casa, que são mais saudáveis e frescos do que os comprados prontos. Uma sugestão é preparar bolinhos individuais (como muffins) e congelar uma parte. Assim, sempre que sentir vontade, terá algo pronto para comer.

Os comentários estão desativados.