Leitura - 3min

Como estabelecer o equilíbrio entre limite e liberdade?

Deixar claro o que é possível e o que não é contribui para o desenvolvimento saudável dos filhos

Uma confusão comum entre mães e pais é achar que estabelecer limites contraria a liberdade. Mas o que acontece é justamente o oposto. Limite é algo que forma, que precisa ser superado para a conquista da liberdade. E nesse quesito é preciso equilíbrio para evitar colocar limites onde eles não deveriam existir, ou correr o risco que eles faltem onde deveriam estar.

Mesmo que às vezes seja preciso ser firme em alguma decisão – e não seja possível atender às demandas das crianças ou adolescentes – é importante lembrar que é preciso deixar claro o que o que é viável, e o que não é, o que faz parte do papel dos pais na dinâmica familiar.

Existem três tipos de limite: o equilibrado, o rígido e o difuso.

Limite equilibrado

O limite equilibrado é considerado o mais saudável, explica a psicopedagoga Isabel Parolin.

“É aquele que tem os ‘nãos’ necessários e os ‘sins’ possíveis. O limite é uma fronteira relacional, que ensina para os filhos sobre o espaço que há nas relações.”

Sob esse ponto de vista, é indicado mostrar para a criança o que é dela e o que é do coletivo, e desta forma ela vai aprender qual é o seu lugar no mundo. Uma relação equilibrada, afirma Isabel, traz responsabilidade e ajuda na construção da sua identidade.

Limite rígido

O rígido é aquele em que há um maior número de “nãos”, em que há dificuldades para abrir espaço para o outro.

“Nesta relação, a criança precisa necessariamente se adaptar ao mundo do adulto.”

Ou seja, ou o filho se encaixa ou não terá como se manifestar. Esse limite é bastante danoso sobretudo porque causa um grande afastamento. Isabel diz que, geralmente, quando os pais estabelecem uma relação assim, não conhecem os seus filhos.

“Eles normalmente dizem e fazem coisas que os pais não reconhecem como uma ação que fariam.”

Limite difuso

Ao contrário do rígido, este se assemelha mais à dificuldade em estabelecer limites e dizer “não” ao filho. Neste tipo de comportamento, costuma haver uma confusão entre os espaços da criança e do adulto, que podem se misturar. Um exemplo do limite difuso é quando a mãe faz a lição de casa da criança, por exemplo, a isentando de uma responsabilidade que deveria ser dela. Em relações que são intermediadas pelo limite difuso, há pouco espaço para a individualidade da criança e, consequentemente, para a sua autonomia.

O que é liberdade?

“É quando eu percebo os meus gestos e até onde posso ir, porque reconheço o outro como um parceiro, como uma outra pessoa.”

A liberdade da qual estamos falando, complementa, está muito ligada à autonomia, que é quando o indivíduo consegue pensar por si mesmo e fazer as suas escolhas. Porém, é importante lembrar que essa autonomia inclui pensar no outro e no que é melhor para todos, sempre considerando o bem-estar coletivo.

“Afinal, nem sempre o que é bom para mim será bom para o outro.”

Noticias Relacionadas:

Outras noticias relacionadas à: Comportamento

Deixe aqui suas sugestões, elogios ou críticas