Práticas educativas

Cozinha é lugar de ciência?

Share on whatsapp Pinterest LinkedIn Tumblr

Veja como inserir conhecimentos de Biologia em simples receitas do cotidiano

Cozinhar é uma arte, mas também é uma verdadeira ciência. Observar como a massa do pão cresce, descobrir porque as maçãs ficam marrons depois de abertas e saber de que forma a combinação de ingredientes funciona são atividades muito interessantes para apresentar às crianças. Além de divertidas, ainda são uma forma de aprender biologia na prática.

As receitas são uma forma de aliar ciência e culinária, e nesse período de distanciamento social é um bom recurso para os pais transformarem a casa em um grande laboratório.

“O ato de cozinhar e preparar alimentos é uma atividade que tem ligação direta com a natureza, a ciência e a Biologia”, reforça a diretora do Marista Escola Social Lucia Mayvorne, Fraya da Cunha.

Como inserir o aprendizado de biologia na cozinha?

Muitos processos do cotidiano acontecem por conta da ciência. As crianças adoram ajudar no preparo de alimentos, seja separando ingredientes ou auxiliando a fazer um bolo. Por isso, aproveite essa oportunidade para valorizar aspectos científicos envolvidos na transformação dos alimentos.

Ao misturar diferentes texturas e ingredientes em um mesmo recipiente para fazer um bolo, por exemplo, é possível aprender sobre diversas reações. Mesclar ingredientes e observar o processo e no que ele se transformou depois de pronto, estimula as crianças a se interessarem sobre a razão disso acontecer.

Esses momentos podem ser aproveitados para facilitar o entendimento de conceitos científicos por meio da analogia que, se explicados teoricamente, podem ser um pouco mais difíceis de compreender.  

“Na Biologia, estudamos a vida em todas as suas formas, utilizar a analogia promove com que o aluno conecte aquela ferramenta com o conhecimento teórico”, explica a professora de Biologia, Tais da Silva. 

Veja dicas de alimentos para incentivar o interesse das crianças pela ciência:

– Farinha e pipoca

Processos utilizados no cotidiano também ensinam sobre diferentes tipos de amidos, açúcares e proteínas que podem ser usados para fazer um alimento. Um dos exemplos é a transmissão do calor no milho que gera a pipoca, um dos alimentos preferidos das crianças.

– Temperos e chás

Ao cozinhar com as crianças, aproveite para falar sobre os temperos utilizados e como eles liberam gostos diferentes para os alimentos, assim como os chás e seus aromas, que têm variadas funções no nosso organismo. 

“Todo esse conhecimento do cotidiano, o aprendizado trazido pelos pais, avós e familiares vai acrescentando informações que depois auxiliam em sala de aula, de forma divertida. Afinal, cozinhar é uma experiência de ciência e alegria”, reforça a professora. 

– Curiosidades dos alimentos

Além de explicarmos como as transformações dos alimentos funcionam, é interessante questionar os filhos sobre o que elas acham das interações. Por exemplo, ao manipular a beterraba, é comum que as crianças se impressionem pela mancha que ela deixa nas mãos. Esta é uma oportunidade para investigar a questão. É possível explicar que a mancha é causada pelo corante natural chamado betanina e que torna a beterraba um ótimo legume para dar cor ao preparo de pães, arroz e outros alimentos.

Os comentários estão desativados.