Infância

Dia Nacional do Livro: confira alguns clássicos da literatura infantil

Share on whatsapp Pinterest LinkedIn Tumblr

Ler desenvolve a atenção, a concentração e incrementa o vocabulário

Seja por prazer, para estudar ou para se informar, a leitura faz parte da vida de todos e nos acompanha desde a infância. Para comemorar a existência dos livros, foi criado o Dia Nacional do Livro, celebrado em 29 de outubro. Mas você sabe o porquê dessa data?

O dia foi criado em 1810, em comemoração à fundação da primeira biblioteca brasileira, a Real Biblioteca, no Rio de Janeiro, então capital do país.

Os benefícios da leitura

Ler desenvolve a atenção, a capacidade de concentração, incrementa o vocabulário, melhora a memória e o raciocínio, por isso, é importante que seja incentivada desde a infância. Mesmo antes da criança aprender a ler, os pais podem contar histórias, desta forma se incentiva o interesse pelos livros.

Para as crianças que já leem sozinhas, uma sugestão é criar um “cantinho da leitura” aconchegante e silencioso. A coordenadora de Ensino Fundamental Anos Iniciais do Colégio Marista Santa Maria, Antoniella Cavassim, aconselha os pais a deixarem as crianças folhearem e escolherem os livros que gostam.

“Os pais podem mediar essa seleção, mas deixar que os filhos elejam os que mais se interessam”, sugere. “Desta forma, a paixão pela leitura vai se fortalecer cada vez mais”, conclui.

Confira livros infantis clássicos para apresentar ao seu filho:

Alice no País das Maravilhas (Lewis Carol)

Indicação: 12 anos

Alice é despertada de um leve sono ao pé de uma árvore por um coelho peculiar. Uma criatura alva e falante com roupas engraçadas, que consulta seu relógio e reclama do próprio atraso. Curiosa como toda criança, Alice segue o animal até cair em um buraco sem fim que mudou para sempre a literatura infantil. Mais de 150 anos depois, continua repleto de ensinamentos para aqueles que ousaram seguir o Coelho Branco até sua toca.

História Meio ao Contrário (Ana Maria Machado)

Indicação: 8 a 11 anos

Uma história que começa pelo “fim” e onde o príncipe e a princesa fazem tudo ao contrário. Publicada originalmente em 1978, a obra é marcante porque supera as nossas expectativas quanto aos contos de fadas. Aqui, os protagonistas decidem tomar as rédeas do seu próprio destino e vivem inúmeras aventuras. 

Pé de Pilão (Mário Quintana)

Indicação: 9 a 12 anos

Escrito por um dos poetas mais amados do nosso país, o livro é uma combinação de cultura popular, religião e fantasia. Por meio dele ficamos conhecendo a história de um menino chamado Matias que foi transformado num pato amarelo. Para quebrar o feitiço, ele precisa encontrar a sua avó, uma fada que também está sob uma maldição. 

Marcelo, Marmelo, Martelo E Outras Histórias (Ruth Rocha)

Indicação: 8 a 10 anos

A autora inova a maneira tradicional de contar histórias, mostrando situações reais do cotidiano. Os personagens dos três contos que compõem este livro são crianças que vivem no espaço urbano. Elas resolvem seus impasses com muita esperteza e vivacidade; Marcelo cria palavras novas, Teresinha e Gabriela descobrem a identidade na diferença e Carlos Alberto compreende a importância da amizade.

Os Três Lobinhos e o Porco Mau (Eugene Trivizas)

Indicação: 6 a 9 anos

Este livro inverte os conhecidos papéis do lobo mau e dos porquinhos: quem era caçador vira caça e vice-versa, mantendo o maniqueísmo de algumas histórias infantis, que simplesmente separam os personagens entre bons e maus, bobos e espertos. Levando em consideração o pequeno leitor moderno, que de bobo não tem nada, o livro é uma sátira que surpreende utilizando elementos atuais, para reinventar uma história que continua emocionante.

O Menino Do Dedo Verde (Maurice Druon)

Indicação: 10 a 12 anos

Nesta história de Maurice Druon, recheada de humor e poesia, Tistu é o menino do dedo verde. O pequeno deixava impressões digitais que suscitavam o reverdecimento e a alegria dos lugares. As proezas de seu dedo verde eram originais e um segredo entre ele e o velho jardineiro Bigode, para quem seu polegar era invisível e seu talento oculto, um dom do céu.

Chapeuzinho Vermelho – Uma aventura borbulhante (Lynn Robers)

Indicação: 8 a 10 anos

A caminho da casa da vovozinha, o menino Chapeuzinho Vermelho, que de fato se chama Tomas, para no caminho para colher maçãs na floresta. Na assustadora floresta, o Lobo Mau rouba seu casaquinho e consegue enganar a distinta vovó, que mora numa casa muito chique. Após comer a vovó e tentar comer Chapeuzinho, o lobo é convencido a tomar um famoso refrigerante muito, muito borbulhante, o que acaba por salvar a avó e Chapeuzinho. A autora ambientou a história no século XVIII, uma época em que se usavam grandes perucas e vestidos acetinados. O mobiliário e o vestuário são europeus e norte-americanos, pois a família de Chapeuzinho Vermelho teria sido de pioneiros ingleses no Novo Mundo.

Os Contos de Grimm (Irmãos Grimm)

Indicação: 3 a 9 anos

Esse livro apresenta 49 contos clássicos dos irmãos Grimm e é fiel aos textos dos autores, pois foram traduzidos direto do alemão pela consagrada escritora Tatiana Belinky. Narrativas que, por séculos a fio, vinham sendo transmitidas de pai para filho, com o objetivo de entreter as crianças e embalar seu sono foram recolhidas e contadas pela dupla de irmãos filólogos Jacob e Wilhelm Grimm.

Os comentários estão desativados.